Pastéis de Belém e Pastéis de Nata

Pastéis de Belém 


À primeira vista, um brasileiro pode estranhar, um pastel com cara de empada e doce.

Os Pastéis de Belém e os Pastéis de Nata são os mais tradicionais e conhecidos doces da pastelaria portuguesa.

Só para constar, pastelaria é a arte de preparar ou decorar doces e sobremesas como bolos, tortas, biscoitos etc, ou o lugar que os vendem… Ou seja, não tem nada a ver com a nossa pastelaria, que vende aquela massa salgada recheada com carne moída, queijo ou vento (adoro com um cafezin feito na hora!)

Mas qual a diferença entre um e outro?

Há quem diga que o de nata leva nata (creme de leite) e o de Belém não, há quem diga que são a mesma coisa, diferenciando só o marketing e a tradição.

O fato é que só pode ser chamado Pastel de Belém o doce feito na fábrica e pastelaria de mesmo nome, que fica na rua Belém, junto ao Mosteiro dos Jerônimos, em Lisboa. Conta a lenda que o doce era  comercializado numa feira pelos monges, e com o encerramento do convento em 1834, a receita saiu para o exterior, tendo parado, em 1837, nas mãos do empresário Domingos Rafael Alves. A receita original só é conhecida atualmente, por pouquíssimas pessoas, e é mantida na “Oficina do Segredo”.

Mosteiro dos Jerônimos

Pois fui com grande expectativa para provar o famosão, e me decepcionei um pouco. Meu voto vai para os Pastéis de Nata. Não sei explicar o porquê, mas senti diferença.

A fábrica de Belém fica num lugar bem turístico, pertinho do Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém, e há perto várias linhas de ônibus (autocarros) e elétricos (uma espécie de bonde moderno).





É natural ter que enfrentar uma fila na porta, já que vendem diariamente, um mínimo de 10.000 pastéis.
Fui com uma amiga e íamos comer por ali mesmo, fomos muito bem atendidas, estava quentinho e polvilhado com açúcar e canela. Na época, em 2011, pagamos 0,90€. Mas enfrentar a fila foi fácil, difícil foi encontrar uma mesa disponível! A pastelaria é dividida em salas, formando quase um labirinto, e todas estavam cheias.
Adorei o lugar, decorado com azulejos portugueses.
Para mim, valeu mais pela tradição do que pelo sabor.
Quem quiser saber mais, este é o site deles: http://www.pasteisdebelem.pt/pt.html



Por sabor, fico com os Pastéis de Nata da Pastelaria Vela D’Ouro (também conhecida como “Galegos”), em Sines. No Facebook deles, tem fotos dos pastéis e outras coisas engordativas e saborosas.




Mas já sabem, gosto, cada um tem o seu. Só não vale o do Habib´s! Aquilo é tudo, menos um pastel de nata/Belém!

8 comentários

  1. Pelo que percebi o pastel de Belém é diferente do pastel de natas porque o 1º é feito na fábrica de pasteis em belém e a sua conceção está no segredo de alguns (presumo que não tenha natas) o outro tem natas.

    ResponderExcluir
  2. Sim, a diferença essencial é esta, a marca registrada dos Pastéis de Belém. Agora, o que leva cada receita, pelo que pesquisei, será difícil descobrir por causa deste segredo. Como mencionei no texto, senti diferença nos sabores e gosto mais dos pastéis de natas. Há quem diga que os de Belém não levam natas, mas creio que são só suposições. Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  3. Lidiane do céu, porque eu fui ler essa postagem a essa hora? kkkk Já estava com fome, agora estou mais ainda hehehe
    Pastéis de nata ou de Belém são realmente deliciosos!
    Ainda não tive a oportunidade de ir a Portugal, mas aqui em São Paulo há uma casa de doces portugueses que dá para ir matando a vontade enquanto não se pode ir a terra dos nossos colonizadores rs Chama-se "Casa Mathilde", você conhecer?
    Parabéns pela matéria! bjs

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Simone! Não conheço, mas já vou anotar a indicação. Inclusive, outra indicação anotada do seu blog http://www.embarquenesteblog.com.br/, é aquele lugarzinho que vende o legítimo pão-de-queijo mineiro! Ai, que fome...

    ResponderExcluir
  5. Lidiane, fico feliz que tenha gostado das dicas ;)
    bjs

    ResponderExcluir

Back to Top