Achados Arqueológicos em Sines - Portugal

Sines, cidade do litoral alentejano, terra que viu nascer Vasco da Gama, o famoso navegador que descobriu  caminhos marítimos pelo mundo afora, com destaque para o caminho das Índias.

A parte histórica e a avenida da praia estão parecendo um canteiro de obras, já que estão com um Projeto de Regeneração Urbana, visando melhorias.


Adicionar legenda

Bem no centro histórico, no Largo Poeta Bocage, ao lado do Castelo e da Igreja Matriz de São Salvador, fizeram uma vala para enterrar uns cabos de média-tensão. E estavam à espera de encontrar algo mais que terra e pedra, já que historicamente as áreas em torno das igrejas foram utilizadas como cemitérios.

Eles estavam certos! Amei esses achados!
Segue o que foi descoberto até o dia 23 de abril, pela equipe de antropólogos e arqueólogos da empresa Smile at Culture:


“A escavação arqueológica iniciada no Largo Poeta Bocage, no dia 18 de Março, permitiu identificar até ao dia 19 de Abril, 23 enterramentos e 3 ossários. A intervenção arqueológica está a decorrer num troço de vala com cerca de 20 metros de extensão. Na próxima segunda-feira (22 de Abril) será aberta uma nova área de escavação, com o reforço da equipa técnica. Durante o processo de escavação, concluiu-se que houve uma escavação no subsolo de grande dimensão algures durante o século XX ou XXI que provocou a destruição de dezenas de enterramentos e de níveis arqueológicos de época romana. Nas quadrículas afetadas por esta intervenção foram recolhidos diversos objetos de época romana, nomeadamente sigillata, tessela, fragmentos de fíbulas, botões, etc. Grande parte dos enterramentos escavados até ao momento foram parcialmente destruídos por esta intervenção. Relativamente à necrópole, trata-se da necrópole da antiga igreja matriz, caracterizada por sepulturas escavadas no sedimento com orientação Poente-Nascente. O espólio associado aos enterramentos é raro, sendo possível datar os esqueletos levantados ao século XVI. A equipa técnica pode avançar com alguns dados preliminares: trata-se de uma população que não ultrapassa os 40 anos de idade, com alguns casos de desgaste moderado/elevado, por vezes atípico, dos dentes. Destacam-se, até ao momento, uma inumação (enterramento nº 1) de um adolescente com um ritual funerário pouco comum, pelo facto de ter um prego espetado na tíbia, não se ter encontrado pés, e de ter sido identificado vários fragmentos do que possa ser uma corrente em volta do tornozelo. A equipa técnica tem recolhido amostras de sedimento no sacrum, que serão enviados para a Fundação Oswaldo Cruz, no Brasil, para se analisar o tipo de alimentação que teria a população de Sines no século XVI.

Adorno de bronze do séc I/II, podendo tratar-se de uma insígnia militar dos legionários romanos.


Adolescente masculino (13-16 anos) enterrado sem os pés e com um prego na tíbia.
Ceitil de D. Manuel I, moeda antiga portuguesa.

Tenho muito carinho por Sines, e como uma apaixonada pelo passado, quero muuuuuuito que encontrem mais coisas.
Quem quiser ver mais fotos, pode acompanhar pela página no Facebook da Smile at Culture

Nenhum comentário

Back to Top