Cavernas do Paleolítico no Norte da Espanha - Altamira, Tito Bustillo, Ardines e Cuevona de Cuevas




Com essa coisa do Facebook relembrar fotos antigas, essa semana eles me mostraram uma que fiquei feliz de saber que tinha. Meu antigo computador estragou e eu não tinha feito backup. Pelo menos no Facebook tinha algumas.

Eram de um passeio que fizemos à caverna de Altamira, na Cantábria, Espanha. Vou falar um pouco da Cornija Cantábrica, já que também visitamos a Caverna de Tito Bustillo, nas Astúrias.

Cornija Cantábrica, é o nome da parte norte da Espanha, montanhosa e úmida. É formada pelas Comunidades Autônomas das Astúrias e Cantábria, e partes da Galícia, País Vasco, Castilla y Leon e Navarra.

Essa região é imensamente importante para a história da humanidade, pelo grande número de cavernas bem preservadas e com diversas técnicas de arte rupestre do paleolítico (30.000 – 10.000 anos a.C.). Essa foi a primeira manifestação artística  do Homo sapiens – nós, humanos (até parece nome de filme - Eu, Robô).

Há cinco grandes conjuntos dessas cavernas, que mostram toda diversidade de temas e técnicas. São eles: Altamira, El Castillo e La Garma - Cantábria, e Tito Bustillo e Llonín - Astúrias. Há ainda grupos menores de cavernas, que juntos dão toda a importância à região.





AltamiraLocalização: Santillana del Mar (Cantábria)

 Bisão Magdaliense Policromo - Museu Altamira
Aposto que quase todo mundo que tenha estudado História na escola, viu nos livros uma foto do desenho de um bisão, na caverna de Altamira. Descoberta em 1868 por um caçador, foi com grande emoção que vi ao vivo e a cores a Capela Sistina do paleolítico! Nanão! Isso era o que eu pensava… Na época em que fomos, em 2012, as visitas à caverna eram proibidas. E hoje, por motivos de conservação, a visita é bem restrita. É feita às sextas-feiras as 10h30, com cinco pessoas sorteadas entre as que compraram entradas para o Museu e se inscreveram. Duram cerca de 37 min., atendendo a um protocolo de vestimenta e iluminação.

O que eu vi foi a Neocueva - Nova Cova, que é a reprodução tridimensional mais fiel que existe da caverna e seus desenhos. É bem recriada, mas eu queria ter visto a verdadeira L Há visitas guiadas a determinadas horas em espanhol  (o nosso guia também falava inglês) e é interessante para conhecer os detalhes, que são muitos. Como exemplo, a explicação de como os artistas pré-históricos usavam as deformações e sobressaliências da caverna nas linhas do desenho, dando-os volume e realismo.

Vista geral teto de policromo - Museu de Altamira
     
Museu de Altamira

O Museu é bem montado, e além de objetos da época, havia um filme e umas  cenas holográficas de animais e pessoas numa réplica de caverna.

A entrada custa 3€. Maiores informações na página oficial: http://museodealtamira.mcu.es/

Aproveitando que estávamos em Santillana del Mar, cidade onde se situa a caverna de Altamira, fomos dar uma olhada. É conhecida como a vila das três mentiras, por um trocadilho que fazem em espanhol: não é santa, nem plana (llana) e nem tem mar.

Como não tenho fotos para contar história, e a visita já faz um tempinho, não me lembro de muita coisa. Me lembro que era muito limpinha e bonita, com umas ruazinhas e lojas medievais. Visitamos um Museu da Tortura. Foi minha  primeira e única vez em um museu do tipo, saí com uma sensação muito ruim. Como podemos chegar a tanta maldade, e o pior, algumas das técnicas são usadas ainda hoje. O museu é simples, mas possui várias peças expostas e devidamente explicadas. Não recomendo para os fracos de estômago.


Museo de la Tortura - Santillana del Mar

Museo de la Tortura - Santillana del Mar


Tito Bustillo, Cuevona de Ardines e Cuevona de Cueves Localização: Ribadesella (Astúrias)


Outra visita que fizemos foi à Caverna Tito Bustillo. Faz parte do Patrimônio da Humanidade desde julho de 2008, dentro do tema Caverna de Altamira e Arte Rupestre Paleolítica do Norte da Espanha.

Foi descoberta por acaso em 1968 por um grupo de montanhistas que fazia um passeio por um abismo conhecido como Pozu’l Ramu, em Ribadesella. Possui um dos jazimentos mais completos de arte paleolítica, com pinturas e gravuras de animais e representações antropomorfas e também ferramentas do dia-a-dia das famílias pré-históricas que ali viveram.
 
Entrada caverna Tito Bustillo - Ribadesella
A memória da veinha aqui tá falhando. Me lembro que o museu também é bonito, em forma de um labirinto de cavernas.

Incluído no preço do ingresso, pode-se visitar também a Cuevona de Ardines, Situada ao lado da Cueva Tito Bustillo, a Cuevona tem como sala principal uma planta circular com uns 80 m. de diâmetro e uns 40 m. de altura. Lá no alto, um buraco que deixa entrar a luz natural. A visita dura em média 45 min. e limitada a 20 visitantes por vez. Para chegar à entrada, é preciso subir uma escada com uns 300 degraus. E dentro também há muitas escadas. E com essas dimensões, o homem moderno resolveu aproveitar a beleza natural, com mais beleza: são realizados concertos de música dentro da Cuevona. O guia explicou que a caverna tem uma acústica natural perfeita para os concertos. Uma coisa engraçada que o guia contou e que me lembro (ohhhhhh!!!) é que antes colocavam imagens e sons de animais da época durante o passeio na caverna, mas as crianças saiam assustadas e chorando, então resolveram tirar isso.

Cuevona de Ardines - concerto musical - Ribadesella

Outro passeio que dá para fazer na mesma temática e que está a uns 5 km. da cidade de Ribadesella, é visitar a Cuevona de Cuevas. Dentro dessa caverna passa uma estrada que é o único acesso por carro ao povoado de Cuevas del Água. Mas é legal atravessar os cerca de 250 m. de estrada à pé também! Importante ir com roupas reflectantes, porque apesar de ser uma caverna com iluminação, não deixa de apresentar os perigos de uma estrada asfaltada. Já no povoado, há a Ruta de los Molinos (Rota dos Moinhos), feita à pé e que tem como atração, além da paisagem, moinhos de água tradicionais da região, que antigamente moíam o milho.

Cuevona de Cuevas - Cuevas del Água
 
Cuevona de Cuevas - Cuevas del Água (foto: jcrespoc)

Como já disse antes, isso tudo está em Ribadesella ou perto, uma simpática cidadezinha costeira, cercada por praias, montanhas e penhascos.
É aqui que acontece no primeiro sábado de agosto depois do dia 2 a festa mais importante das Astúrias, a Fieste de las Piragües, declarada Festa de Interesse Turístico Internacional. A festa é celebrada junto com o Descenso Internacional del Sella, competição de canoagem com relevância internacional, feita num trajeto de 15 km. entre Arriondas e Ribadesella.
Ótimo lugar para fazer turismo de aventuras! 

  
Descenso del Sella - Arriondas/Ribadesella (foto: Martínez y Hernanz)

Recomendo ambas as visitas, seus museus têm muita informação, as cavernas são grandes e o entorno está bonito de visitar também. Altamira é mais conhecida mundialmente e talvez mais importante, mas pelo fato da caverna ser uma réplica, prefiro a Tito Bustillo, que além de ser a verdadeira, foi um passeio mais selvagem. Sem falar das outras duas cavernas que estão bem pertinho.


Nenhum comentário

Back to Top