Robot Bus - Usando o Transporte do Futuro na Finlândia


Um ônibus pequeno e bonitinho chamou a minha atenção um dia desses, passeando pelas ruas do bairro Aurinkolahti, em Helsinque. A minha filha ficou doida querendo andar nele, então fui pesquisar o que era. Descobri o Robot Bus e, de quebra, um plano ambicioso de um país que quer ser ecologicamente mais limpo.

Finlândia e a meta de neutralizar a emissão de carbono

A Finlândia tem uma meta ambiciosa de neutralizar as emissões de carbono até 2035. Para isso, o plano é reduzir os investimentos em extração de madeira e o consumo de combustíveis fósseis e turfa.

Além disso, o projeto prevê o aumento da produção de energia eólica e solar, o uso de bioenergia e a eletrificação dos sistemas de aquecimento e transporte.

Apesar de um plano ambicioso, acho que eles estão levando a sério. 

Desde 2016, Helsinque está testando o projeto-piloto Sohjoa Baltic, que traz ônibus robôs autônomos para os estados do Mar Báltico como parte de experimentos de transportes públicos inteligentes e de baixa emissão de carbono.  

No verão de 2019, além de duas rotas em Helsinque, também é possível encontrar o Robot Bus na capital da Estônia, Tallinn


Ônibus robô nas ruas de Helsinque

A ideia do projeto Sohjoa Baltic nesse momento, é coletar informações e aprender com o micro-ônibus na rua, no tráfego real.

Para isso, há duas rotas em Helsinque: a linha 26R em Kalasatama que operará de maio a novembro, e a linha 90R, que está operando em Aurinkolahti de junho a setembro.

A linha 90R está quebrando o recorde mundial não oficial com um percurso de 2,5 quilômetros e 7 paradas, que circula entre a estação de metrô Vuosaari e a praia de Aurinkolahti.

Como foi andar no ônibus robô

Depois de descobrir onde eram os pontos, lá vou eu com minha filhinha esperar pelo micro-ônibus no ponto perto da estação de metrô.

A viagem é gratuita e só cabem 8 passageiros e 1 operador, então não conseguimos subir na primeira vez que ele passou. Esperamos que ele fizesse o percurso e voltasse, o que durou uns 20 minutos.

Na volta entendi porque demorou tanto. Ele anda bem devagar, a 17 km/h (apesar de tecnicamente chegar a 45 km/h) e realmente é autônomo. Os passageiros vão sentados de frente pro outro, 4 em cada lado. Um estudante da Metropolia - Universidade de Ciências Aplicadas acompanha a viagem com um joystick de videogame na mão caso haja algum problema, mas sua intervenção foi mínima.

O ônibus percorre uma rota pré-programada, mas se houver um obstáculo, o veículo para. Nesse caso, por exemplo, é necessária a intervenção do operador. Adiante, a ideia é que os veículos sejam operados remotamente por uma sala de controles.

Há uns solavancos quando o ônibus freia e arranca, mas no geral, foi tranquilo e seguro. 


Os Robot Bus têm tudo para se transformar no transporte do futuro, econômicos e ecologicamente limpos.



Nenhum comentário

Topo